Amazonização

As empresas portuguesas já podem vender os seus produtos através do programa Fulfilment by Amazon. Qual será o impacto desta oportunidade de negócio?

Há uns dias, falava com um amigo sobre os benefícios da entrada dos gigantes em Portugal. Obviamente que a discussão começou em virtude dos rumores da entrada da Tesla em Portugal, primeiro através da representação oficial em Portugal, na comercialização e assistência dos veículos eléctricos mais populares do planeta e eventualmente na implementação de uma Gigafactory em território nacional, que teria um peso enorme na economia portuguesa. Não é por acaso, que há uma longa lista de interessados na implementação da primeira Gigafactory em território europeu. O Jornal de Negócios avança com “12 razões de peso para a Tesla instalar gigafábrica em Portugal” e a publicação “Future Behind” avança com “5 razões para Portugal receber a fábrica europeia da Tesla“.

Tesla Gigafactory
Tesla Gigafactory

A conversa deu-se depois de uma conversa sobre o peso que a Web Summit podia ter na colocação de Portugal no centro dos novos investimentos das multinacionais na Europa. Numa Europa, em que a União Europeia já não apresenta o Reino Unido como membro e Portugal precisa de confirmar o potencial que apresenta nas suas campanhas.

Na altura, dei o exemplo da Amazon. Se Portugal tem condições para ter uma Gigafactory, porque razão a Amazon não instala centros de distribuição em Portugal? Se Portugal pode não ter escala para ter uma loja Amazon, pelo menos, podia ter outro papel, ou seja, com a existência de um centro de distribuição, as empresas portuguesas teriam uma boa oportunidade para vender os seus produtos.

Amazon Fulfillment Center
Amazon Fulfillment Center

Bom… hoje, com alguma surpresa, verifico através do Aberto Até de Madrugada, que isso vai mesmo acontecer. Ok… não vamos ter nenhum centro de distribuição da Amazon, mas as empresas portuguesas, especialmente aquelas que não querem ter custos adicionais com uma loja online ou pretendem aumentar a amplitude do seu negócio e acham que o Marketplace da Fnac não é suficiente, têm agora oportunidade de se associar ao programa Fulfilment by Amazon.

Obviamente que o acesso ao serviço terá um custo associado, mas quero acreditar que o volume de vendas compensará a adesão à plataforma da Amazon e poderá criar novas oportunidades a empresas portuguesas, especialmente as que vendem produtos nacionais, uma nova forma de expandir a marca Portugal. Chamem-me romântico, mas quero achar que isto é uma oportunidade real que poderá e deverá ser aproveitada pelas empresas portuguesas, da mesma forma que o Etsy deu há uns anos, espaço e oportunidade a empreendedores criativos, que tinham no Etsy um espaço e uma comunidade de dimensão global.

Regra geral, a ideia que se tem é que os gigantes são um problema. Eu quero achar que são uma oportunidade. É quase inevitável que acabam mesmo por entrar no nosso mercado. Foi assim com o Starbucks, com o Uber, AirBnb, etc. E não são necessariamente uma oportunidade porque nos associamos a eles, mas porque também podem ser uma oportunidade para reinventar o nosso negócio. O problema é que algumas das nossas grandes empresas portuguesas não estão preparadas para qualquer mudança, mais ou menos radical. A banca e o paradigma das Fintechs são um bom exemplo… fica para mais tarde, uma análise sobre esse sector.

Uma coisa é certa, se tiverem uma loja online e produtos para vender, eventualmente a chegada do programa Fulfilment by Amazon chegou na melhor altura ou então não! Como não estou na área do retalho e do comércio online que se enquadre no modelo da Amazon, gostaria de saber a vossa opinião sobre esta temática.